O movimento é o inicio da vida, basta lembrarmo-nos do movimento do espermatozoide no percurso até chegar ao ovo, nas trocas químicas entre o feto e a mãe, na influência hormonal da mãe, na alimentação através do cordão umbilical.

Quando é chegada a hora, surgem as contracções (não são mais que uma contracção muscular), todo o percurso feito ao longo do canal de parto é um resultado de uma progressão de movimento, e esta descida é uma dança entre o posicionamento do feto e toda a estrutura envolvente da mãe.

No nascimento, talvez o momento mais importante nesta transição para a vida, o bebé passa a ser independente quando inicia com o seu 1º  batimento cardíaco, a sua 1º respiração que muitas vezes se traduz num choro , o choro de vida, a chegada a um mundo diferente.

É neste mundo novo, que o bebé tem as suas primeiras sensações, que sente o ar, o frio o quente, o manuseamento técnico, os primeiros actos de intervenção  médica, a pele da mãe, o cheiro da mãe,  que ouve , vê ( só à distancia de 18cm a 30cm) , sente o sabor do leite pela 1ª vez, e sente o Toque.

Dos 5 sentidos , o Toque é o primeiro sentido a ser desenvolvido in útero, na génese embrionária o sentido do toque , vem do mesmo folheto do SNC, por volta da 8ª semana.

É o sentido mais importante, podemos viver sem ver, sem cheirar, sem ouvir, mas não sobrevivemos sem o toque.

Reforçamos a importância do Toque, existem estudos relevantes, durante e no pós-guerra da II Grande Guerra Mundial, que devido ao excesso de crianças existentes, estas eram “depositadas” em Instituições de acolhimento, muitas destas sobrelotadas, sem espaço físico para tantas crianças. Nestas Instituições as crianças raramente eram tocadas, e não tinham nenhum toque afectivo de abraço, aconchego, festas ou mesmo mimos, muitas destas crianças morriam, pois não era desenvolvido o lado emocional, levando a zonas necrosadas do cérebro.

Segundo a Neurociência, e cada vez mais valorizamos, é imprescindível para o desenvolvimento a estimulação sensorial e emocional. As crianças crescem e desenvolvem-se através do toque, precisam do toque para sobreviver.

O Toque é mais do que simplesmente outro sentido, é universal a todas as culturas e espécies. Podemos encontrá-lo no reino animal, onde é usado para protecção, para sobreviver, para estimular e para ligação afectiva.

Para outras culturas dos valores primários, o toque é o principal, passam de geração em geração (sobretudo culturas africanas ou da Índia), iniciando muito cedo este envolvimento através do toque, a que nós chamamos de toque nutritivo, pois é muito mais do que uma massagem mecânica, de fazer a técnica correcta. É um movimento fluido, quase inato dessas culturas, que vem de dentro, onde o elo cuidador se liga e vincula através do toque.

É este movimento que falamos, que faz crescer, viver em harmonia, em paz, com um preenchimento emocional muito grande, tornando estas crianças em adultos saudáveis, seguros, sociáveis, com uma auto-estima muito elevada, tornando uma sociedade cada vez melhor.

O movimento gera a Vida.

Angela Subtil


Movimento é Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *