É muito frequente no regresso a casa, e muitas vezes mesmo no hospital, os bebés manifestarem sinais de stress.  Os pais interrogam-se porque o bebé chora, porque manifesta mau estar, os pais sentem que o bebé não está bem… as duvidas surgem. 
E depois quando no dia a dia o bebé continua a chorar, a manifestar sinais de mau estar, chorar sem parar, porquê?

“Ter um bebé que CHORA, inconsolavelmente, é esgotar-se por um ser pequeno com o poder incrível de confundir e afligir. Os Pais questionam-se acerca das suas capacidades enquanto Pais e Mães, do seu direito de o serem e, também, enquanto seres humanos”.

Kitzinger, 2005

Apesar de ser uma palavra
forte e ligada ao mundo dos adultos, o STRESS existe e é frequente aparecer nos
bebés.

Muitas vezes este stress manifesta-se através do
choro, no entanto é importante lembrar que
a forma como o bebé se manifesta é através do choro
, e é através do choro
que podemos entender qual é
 a origem deste mesmo stress.

O choro pode ser mais intenso, forte, intermitente, pequenos
períodos de lamechas, ou mesmo choro prolongado. Os pais interrogam-se se será
uma dor física ou emocional, podendo ser uma das seis razões apresentadas pela
autora, Aletha J. Solter.

Segundo o prof. Brazelton, o choro faz parte dos estádios
normais do bebé afirmando que o “Choro é
um mecanismo de regulação que o bebé utiliza para descarregar toda a sua
energia acumulada, e que lhe dá a oportunidade de passar a um estádio mais
calmo
I.

Segundo BolwbyIIO choro protege o indivíduo e ajuda a
assegurar a sobrevivência da espécie
” levando-nos a concluir o quão importante é o choro no
desenvolvimento e compreensão do bebé.

O bioquímico William Frey estudou a composição químicas das
lágrimas detectando a presença de certas substancias implicadas na resposta
fisiológica ao stress (hormonas adrenocorticotrópicas- ACTH e
catecolaminas).  O autor acredita que a
presença destas substâncias na lágrima é uma forma de eliminar o stress,
permitindo o restabelecimento químico do mesmo (hemóstase). Ele pergunta: – Se todas
as outras funções de excreção tem uma função depurativa (urinar, defecar, suar)
porque as lágrimas não iriam ter função alguma?

Este estudo veio revelar a importância do choro, para regular
o organismo, colocando em dúvida as correntes de levar à exaustão do bebé,
quando o choro não é correspondido ou atendido. O choro prolongado leva a
níveis de cortisol elevados, podendo lesionar o hipocampo do bebé (parte do
cérebro do bebé responsável pelo desenvolvimento e aprendizagem).

Aletha J. Solter refere que os pais têm grandes benefícios
quando dão uma resposta atempada e respeitam o choro. A autora diz também que o
choro permite fazer uso da energia inicialmente reservada para resposta de luta
ou fugida.

Na nossa sociedade o choro é mal visto, mal interpretado,
levando os pais a assumirem uma culpa de impotência, de maus cuidadores,
contribuindo para o insucesso da parentalidade, aumentando a depressão
pós-parto.

Quantas vezes a sociedade culpa os pais, ou reprime quando
estes querem satisfazer o bebé nas suas necessidades, ou mesmo quando querem
dar resposta a um pedido de socorro? A
justificação do “excesso de mimo, e a postura arrogante da sociedade, não mede
as consequências no desenvolvimento do bebé e nas competências parentais.

Devemos interpretar o choro como uma forma de o bebé comunicar
com os pais, devendo os Pais, por sua vez, estar disponíveis para saber interpretar e respeitar
o choro. Uma criança que é respondida
eficazmente ou satisfeita nas suas necessidades irá ser um bebé mais seguro e
mais tranquilo reflectindo-se na vida em adulto
, tornando adultos mais
equilibrados, autónomos e empáticos.

Os Bebés e o Stress

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *